www.cmsb.org.br

Switch to desktop Register Login

Glomaron oficializa posição contra a “PEC da Impunidade

Glomaron pec37

 

A mobilização nacional articulada por dezenas de entidades que reúnem promotores e procuradores de justiça dos Ministérios Públicos de todo o país contra a aprovação da PEC 37, a chamada ‘PEC da Impunidade’, que retira o poder de investigação criminal do Ministério Público, recebe o incondicional apoio da Grande Loja Maçônica de Rondônia (Glomaron).

“Somente a união dos vários órgãos de controle será capaz de frear, pelo menos um pouco, a sanha dos assaltadores dos cofres públicos que espalham a miséria por esse imenso e rico país”, disse o grão-mestre Juscelino Moraes do Amaral, ao defender que não só as policias federal e civil possam investigar, como também o Ministério Público, a Receita Federal, Ibama, Tribunal de Contas e Ministério Público de Contas, e, se for o caso, também as Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs).

O posicionamento oficial da Glomaron em apoio a PEC 37 foi aprovado durante a Soberana Assembleia da Glomaron, realizada no mês passado, em Cacoal, oportunidade em que, por sugestão da Comissão de Negócios Exteriores da Glomaron aprovou-se também o engajamento de todas as lojas no Dia do Basta Contra a Corrupção, movimento social apartidário que está organizando a Marcha Nacional Contra a Corrupção, a ser realizada neste 20 de abril, em Porto Velho, Cacoal e Vilhena.

Ainda durante a SAG, foi aprovada também a sugestão para que a Glomaron conclame seus obreiros a participarem da iniciativa popular pela não aprovação da PEC 37.

Para a Glomaron, a luta contra a PEC da Impunidade é um clamor da sociedade brasileira, de cidadãos de bem que lutam pela ética e pelo Estado Democrático de Direito. “Somente dois países na África (Uganda e Quênia) e um na Ásia (Indonésia) limitam a ação investigatória do MP.

São países onde não há democracia. No resto do mundo, o Ministério Público investiga, somando com as polícias. “Sem o poder investigativo dos procuradores do Ministério Público, não teria sido possível, por exemplo, a prisão do juiz Nicolau dos Santos, o Lalau, nem a condenação dos mensaleiros”, convergiram os maçons na Soberana Assembleia da Glomaron.

Para a Glomaron, a aprovação da PEC 37 seria a festa de mensaleiros, sanguessugas, gafanhotos e de todos aqueles que avançam sobre os cofres públicos. A tentativa de impedir a investigação criminal pelo Ministério Público é um dos mais gritantes atentados à democracia.

 

Grande Secretaria de Publicidade e Divulgação da Glomaron